Sem memória, não há museu que resista

Perder a memória, para uma pessoa, pode significar o fim da linha. Somos seres que lembram, ou relembram, o tempo todo. Dizem que alguns animais têm memória curta. Mesmo assim seguem vivendo sem problemas, pois não dependem dessa memória para sobreviver. Nós humanos somos 100% memória. Do nascer ao pôr do sol da vida, acumulamos vivências, informações, lembranças e afetos que nos constroem, por dentro e por fora. Não por acaso o mal de alzheimer é hoje a mais temida das doenças degenerativas. Morte em vida, já disse alguém sobre ela. O Brasil sempre foi acometido por um mal de alzheimer histórico. Apesar de termos um documento (a carta de Pero Vaz Caminha) que registra o nosso nascimento, fi

Procurar por tags
Arquivo

© 2015 por Bruna Rocha. Orgulhosamente criado com Wix.com