230 anos depois, um olhar novo sobre o papel de Tiradentes na nossa história


Durante todo o século 18 o Brasil foi o maior produtor de ouro do mundo. Portugal comandava o império mais lucrativo do planeta, mesmo tendo uma das menores populações entre as nações europeias. Todo esse lucro, no entanto, foi dissipado pela nobreza e pelo clero, em Portugal e no Brasil, alimentando países exportadores, em especial Inglaterra e França, que nos vendiam de tudo, de alimentos a máquinas, passando por roupas, perfumes e objetos de decoração; e construindo suntuosos palácios e igrejas belíssimas (o lado bom da dissipação).

Isso não impediu que Minas Gerais, que produzia mais ouro que África e Europa juntas, desenvolvesse uma burguesia endinheirada, esclarecida e antenada com os acontecimentos mundiais. Mesmo ficando com apenas uma pequena parte de todo o ouro produzido aqui, a capitania abrigava a cidade mais populosa e mais rica da Colônia: Vila Rica, atual Ouro Preto.

Vila Rica, com 79 mil “almas”, era maior do que o Rio de Janeiro (39 mil) e Salvador (46 mil) e tinha mais que o dobro da população de Nova York (33 mil habitantes)! Era uma verdadeira metrópole, para os padrões da época.

Foi em Vila Rica que nasceu e cresceu Joaquim José da Silva Xavier, personagem principal do romance histórico “O Tiradentes”, de Lucas Figueiredo, lançado pela Companhia das Letras. Em 519 páginas (incluindo as notas), o jornalista e escritor mineiro faz uma impressionante viagem ao final do setecentos, para tentar explicar as razões da conspiração ocorrida em 1789 e que provocou a ira do governo português, levando à devassa política que culminou no enforcamento de Tiradentes e na prisão e ou deportação de dezenas de inconfidentes.

O livro de Lucas Figueiredo é minucioso e não deixa escapar nada sobre aquele período. Conhecemos os hábitos de vida dos personagens, as condições socioeconômicas da capitania de Minas Gerais e as relações políticas e culturais que geraram os líderes Tiradentes, Tomás Antônio Gonzaga, Claudio Manoel da Costa, Padre Rolim e Alvarenga Peixoto, entre outros. Detalha também a vida e o perfil do traidor da Conjuração Mineira, o delator Silvério dos Reis.

Acredito que os bons livros de história, mesmo os escritos de forma romanceada, sejam aqueles que nos levam a compreender o passado para tentar entender o presente e evitar os mesmos erros no futuro. Sendo assim, a obra de Lucas Figueiredo consegue fazer brotar na cabeça do leitor do século 21 inevitáveis comparações entre o Brasil de 1789 e o de hoje. 230 anos depois, o que é possível aprender com a malograda tentativa dos inconfidentes de construir uma nação independente, espelhada na experiência dos Estados Unidos da América, que se separou da Inglaterra em 1776?

Em primeiro lugar, é preciso esquecer algumas fantasias históricas. A biografia de Tiradentes mostra que o motor gerador da tentativa de separação do Brasil de Portugal não foi um movimento nativista autêntico, mas, antes, a superexploração da Colônia pela Metrópole. Ao longo da segunda metade do século 18, a produção de ouro em Minas Gerais sempre caiu, chegando ao menor patamar justamente às vésperas do movimento separatista. Apesar dessa realidade, Portugal nunca aceitou que a redução nas remessas de ouro fosse por razões naturais: o esgotamento das reservas auríferas. A rainha D. Maria e seus auxiliares sempre colocaram a culpa na corrupção e na ausência do Estado Português na Capitania. Estavam enganados.

Foi, portanto, a burguesia mineira, cansada de pagar os impostos, que gerou o movimento, nitidamente um movimento das elites. Tiradentes, o menos abonado dos inconfidentes, foi justamente cooptado pelo grupo em razão de sua popularidade, conquistada pela sua incrível capacidade de tratar os dentes das pessoas sem cobrar nada ou cobrar pouco. Além disso, era um alferes com ampla experiência em deslocamentos militares pelos sertões do País.

Aquela ideia romântica de uma Inconfidência com anseios populares, portanto, não se sustenta. Os negros eram maioria em Minas Gerais e pouco se cogitou a libertação destes. Alvarenga Peixoto, um dos mais ricos do grupo, chegou a defender a libertação dos escravos, mas por puro cálculo político. Ele acreditava que, com essa promessa, os negros iriam para as ruas defender a independência. Peixoto, no fundo, temia uma revolta dos escravos, enquanto os “brasileiros” e os portugueses estivessem em guerra. Sua proposta não foi aprovada pelo grupo.

Outra lição do livro de Lucas Figueiredo. O ouro de Minas Gerais trouxe relativamente pouca prosperidade ao Brasil e ao império português. Muita gente ganhou dinheiro no período, muito luxo e bem-estar foram adquiridos, mas o que ficou para esses países foi quase nada. Não se construiu uma só universidade no Brasil – ao contrário do que aconteceu com outros vizinhos da América Latina – muito menos indústrias e infraestrutura. É muito provável que os inconfidentes estivessem mais interessados com o perdão das dívidas que teriam com o fim do domínio português do que com projetos de longo prazo para uma nação independente.

Mesmo porque, fica difícil pensar em desenvolvimento econômico e social em um país que concentrava a maior população escrava do mundo. A ausência de negros livres (que existiam em grande quantidade em Minas Gerais) nas fileiras da Inconfidência Mineira, mostra que o movimento não tinha qualquer articulação popular, o que explique, talvez, seu fracasso.

Tais constatações não diminuem, no entanto, o papel de Tiradentes em nossa história. Joaquim era um homem de visão, apesar de também sonhar com uma vida melhor após a saída dos portugueses do poder (ele reclamava de nunca ter sido promovido na carreira de alferes). Basta lembrar, por exemplo, que a bandeira desenhada para a nova nação (a atual bandeira de Minas Gerais), foi ideia dele, Tiradentes. Era ele também, entre os inconfidentes, o mais empolgado com os ventos de liberdade que sopravam do norte e o que andava pelas ruas de Vila Rica e Rio de Janeiro, e pelas estradas do Brasil, lendo e pregando o conteúdo do Recueil – o livro que reunia as leis constitucionais das ex-colônias norte-americanas.

A biografia de Tiradentes, por fim, apresenta o perfil de um homem empreendedor, que sonhava com projetos que lhe dessem fortuna e que melhorassem a vida das pessoas. Um desses projetos, por exemplo, queria levar água potável para o centro do Rio de Janeiro, e foi por anos boicotado pela burocracia portuguesa.

Ler o livro de Lucas Figueiredo com olhos de hoje, sem saudosismo e sem visões preconceituosas, pode nos ensinar a vislumbrar saídas para o Brasil atual, que patina em ideias que flertam com o autoritarismo e com visões pouco patrióticas sobre o nosso povo e as nossas riquezas. Tirando os interesses pessoais ou paroquiais, que aliás ocorrem em qualquer movimento desse tipo, e em qualquer lugar do mundo, a luta dos inconfidentes foi a primeira tentativa séria de se pensar um país livre e soberano, e que pudesse canalizar as riquezas para o bem-estar geral de seu povo. Algo extremamente atual, concordam?

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2015 por Bruna Rocha. Orgulhosamente criado com Wix.com