O homem lento

Nunca gostei de velocidade. Carros velozes, motocicletas furiosas e aviões supersônicos sempre foram para mim algo distante. Prefiro olhar com calma a paisagem, ver passar o tempo pelas janelas, conhecer os lugares a pé ou de bicicleta. Claro que tudo isso é pura idealização, pois moro em uma cidade onde os automóveis reinam e a velocidade média das vias é a maior do Brasil. Então, tive que me adaptar. Passo em média uma hora e meia por dia dentro de um veículo, sonhando viver em um lugar onde eu possa caminhar pela cidade e deixar o carro descansar na garagem e sair somente para aventuras rurais. Mas já que a realidade para nós brasilienses é esse limão azedo (para quem depende de ônibus a

Que tal mil bibliotecas para mudar o Brasil?

Uma lei sancionada esta semana passou quase despercebida, mas ela pode ser, pelo menos, motivo para um bom debate sobre os rumos da educação e da cultura no Brasil. O texto regulamenta a profissão de técnico em biblioteconomia, profissional de nível médio encarregado de auxiliar os bibliotecários, que são profissionais de nível superior. Foto: Nelson Kon/ BVL A lei define que as atribuições do técnico em biblioteconomia incluem: auxiliar nas atividades e serviços concernentes ao funcionamento de bibliotecas e outros serviços de documentação e informação; e auxiliar no planejamento e desenvolvimento de projetos que ampliem as atividades de atuação sociocultural das instituições em que atuam.

Um golpe contra Brasília

Certa vez tive uma discussão acalorada - mas felizmente bem humorada - com uma amiga que odiava Brasília. O sonho dela, como de outros moradores da cidade, era ir morar no Rio de Janeiro. Quase que faço a pergunta mal criada: então porque não vai? Quem tá te segurando? Mas segurei a ofensa. Afinal, também adoro o Rio e em outros tempos pensei em morar lá. Invasão da UnB por militares em 1968 (Crédito: Cedoc/UnB) Mas um argumento apresentado pela minha amiga deixou-me indignado. Segundo ela, Brasília era um projeto dos militares, que haviam apoiado a transferência da capital já pensando em dar o golpe. "Se a capital ainda fosse no Rio, o golpe não teria vingado", disse ela. Fiquei remoendo aq

Procurar por tags
Arquivo

© 2015 por Bruna Rocha. Orgulhosamente criado com Wix.com