Crônicas para enfrentar o milagre da vida

Um milagre para cada corcova, de Maria Amélia Elói, é um livro de crônicas. Mas não basta dizer isso. São textos que, a partir do cotidiano, formam narrativas, epifanias e divagações, sempre em busca de respostas para as maravilhas e as asperezas da vida. Mas a autora sabe ser também polêmica e ousada, como na crônica “Quem topa beber urina de cachorro?”, onde questiona o tratamento exagerado que alguns “donos” dão aos seus animais de estimação. “Você já viu? Há quem se negue a fazer um cafuné na esposa ou no filho, mas passa horas acarinhando o maltês branco.” Ou ainda lírica, como na crônica “Maculados”, ao falar da morte prematura de um ex-professor de História, que ela soube pelo obituár

Livro desvenda Universo do Baião a partir de seu nascimento

Forró: a codificação de Luiz Gonzaga Autor: Climério de Oliveira Santos Um livro para quem gosta de ouvir boa música, ou para quem quer ir além e pesquisar o Universo do Baião. Lançada em 2013 pela Companhia Editora de Pernambuco (CEPE), a obra Forró: a codificação de Luiz Gonzaga, de Climério de Oliveira Santos, serve de “ponte entre os leitores e as tradições culturais”. O livro foi dividido em duas partes. A primeira aborda a vida de Gonzaga em Exu, no Sertão de Pernambuco, e o ambiente social e sonoro ao qual esteve ligado; sua partida para a cidade grande, a conquista da fama, o declínio e o legado cultural que deixou. A segunda parte estuda sua música, abordando também a construção dos

Livro eletrônico deve ter a mesma imunidade tributária do impresso?

Foto: Oficina do Livro Está na pauta desta quarta-feira (17/2) do Plenário do Supremo Tribunal Federal o caso que vai definir se livros eletrônicos têm direito à mesma imunidade tributária que os livros impressos. A questão está em recurso extraordinário com repercussão geral reconhecida e de relatoria do ministro Dias Toffoli. O caso chegou ao STF por meio de um recurso interposto pelo estado do Rio de Janeiro contra decisão do Tribunal de Justiça que manteve sentença reconhecendo "a existência da imunidade prevista na Constituição Federal ao software denominado Enciclopédia Jurídica Eletrônica e ao disco magnético (CD ROM) em que as informações culturais são gravadas". Segundo o governo do

Nicolelis narra em livro experiência com neurociência

Foto: www.cpflcultura.com.br O neurocientista brasileiro, Miguel Nicolelis, lança no dia 22 deste mês o livro “Made in Macaíba” contando a história do projeto do Instituto Internacional de Neurociências de Natal Edmond e Lily Safra que está instalado grande parte em Macaíba, região metropolitana de Natal. O instituto conta com uma escola de educação cientifica, a Escola Alfredo J. Monteverde, um Centro de Saúde, o Anita Garibaldi, voltado atenção primária da saúde da mulher, um centro de pesquisas, além de no futuro próximo contará com um grande Campus do Cérebro que está em construção na zona rural da cidade. O livro será lançado no Museu de Arte de São Paulo (MASP), a partir das 19h30h e

“Fui salvo pelas bibliotecas”, diz autor premiado pelo Casa de las Américas

Formado em Biblioteconomia, Letras Francês, Letras Tradução Francês, Filosofia e Teologia e fluente em oito línguas, Cristian Santos, servidor público da Câmara dos Deputados e pesquisador da Fundação Casa de Rui Barbosa (FCRB), acaba de receber um dos mais importantes prêmios literários da América Latina, o Casa de las Américas, na categoria literatura brasileira. Cristian foi premiado com o livro Devotos e devassos - Representação dos padres e beatas na literatura anticlerical brasileira, resultado da tese de mestrado feita pelo pesquisador na Universidade de Brasília (UnB). Foto: www.rmater.org.br O livro premiado traça um panorama da representação de personagens religiosos em três livros

Livro mostra mundo opressor onde os leitores não têm vez nem voz

Fahrenheit 451 Muitos conhecem de ouvir falar ou já leram Revolução dos Bichos, de George Orwell, Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley, e 1984, também de Orwell. Formam o trio clássico dos chamados “romances anti-opressão”, que denunciam, por intermédio de histórias distópicas ou fábula satírica, o totalitarismo na primeira metade do século 20, em especial o Nazismo, o Fascismo e o Stalinismo. Os dois primeiros perderam a guerra, em 1945, mas a URSS de Stálin estava entre os vencedores, o que impediu que a crítica ao modelo soviético fosse unânime, o que lançou desconfianças de leitores bem pensantes, ou nem tanto, sobre as reais intenções dos autores, em especial Orwell. De qualquer forma

Bienal do Livro em Sampa

O 24º ano da Bienal do Livro de São Paulo, considerada a maior da América Latina e uma das maiores do mundo, já tem data para acontecer: entre os dias 26 de agosto e 4 de setembro de 2016. A informação foi revelada pela Câmara Brasileira do Livro. O evento para 720 mil pessoas será realizado no Pavilhão de Exposições do Parque Anhembi, com 186 autores nacionais e 22 estrangeiros. A organização da Bienal informou que a mostra contará com 300 expositores, 750 selos e mais de 400 atrações em espaços culturais. Assim que tivermos mais informações sobre a programação, voltaremos a falar no assunto.

Procurar por tags
Arquivo

© 2015 por Bruna Rocha. Orgulhosamente criado com Wix.com